Tecnologia é ponte: diminuindo distâncias na educação

Tecnologia é ponte: diminuindo distâncias na educação

ÚLTIMOS DIAS
INSCRIÇÕES ATÉ 22/10

Se você está desenvolvendo algum projeto na área de educação e inclusão usando tecnologias,

inscreva-se agora

e não perca a oportunidade!

O Changemakers da Ashoka e o Instituto Embratel Claro querem conhecer inovações que estejam usando as tecnologias da informação e da comunicação (TICs) para apoiar jovens em idade escolar que precisam melhorar seu acesso à educação.

Compartilhe sua ideia de como a tecnologia pode ser usada para promover a inclusão na educação e faça parte dessa rede: você pode enviar seu projeto até 22 de outubro.

O desafio criará uma rede entre todos os participantes e até 3 projetos vencedores receberão uma parcela do total de R$36.000 em prêmios!

Que soluções inovadoras estão usando as tecnologias da informação e comunicação (TICs) para apoiar jovens em idade escolar que precisam superar barreiras físicas, sociais ou geográficas para receber uma educação que lhes permitirá atingir todo o seu potencial de desenvolvimento como agentes de transformação?

Tecnologia é ponte: diminuindo distâncias na educação
68 inscrições
20/8/14
17/9/14
22/10/14
12/11/14
12/11/14 a 16/11/14
26/11/14
1/15
2/15
3/15

Lançamento

Inscrição antecipada

Encerramento das inscrições

Anúncio dos Semifinalistas

Revisão por pares

Revisão das inscrições

Anúncio dos Finalistas

Workshop online para Finalistas

Anúncio dos vencedores

Sobre o Desafio

O Brasil é um país de dimensões continentais. E, nos últimos anos, temos crescido ainda mais: observamos que nossos índices de desemprego estão melhorando, que há mais pessoas na escola, que mais gente ao redor do mundo conhece o Brasil por quem somos e não apenas pelo Carnaval e o futebol. Como resultado de diversas políticas afirmativas, saímos de um índice de IDH de 0,715 em 2010 para 0,718 em 2011 (84º do mundo), um crescimento pequeno mas regular (em 1995 o nosso IDH era de 0,713).

Entretanto, algumas crianças e adolescentes estão ficando de fora deste crescimento: segundo o MEC, ainda temos 3,6 milhões de jovens em idade escolar que não estão recebendo a educação à qual têm direito. Os motivos: dificuldade de acesso a uma escola, restrições físicas para a participação em sala de aula, distâncias até uma instituição de ensino, falta de preparação para os professores entenderem a diversidade de desafios de aprendizado das crianças, entre outros inúmeros motivos.

E isso não se restringe apenas à educação formal: 48% da população não têm acesso à Internet e, infelizmente, ainda temos 8% da população de analfabetos, 16% considerada analfabeta funcional. Como podemos minimizar esta situação com propostas concretas e eficazes, que ajudem a construir possibilidades de ingresso desses jovens em um processo educacional sadio?

A boa notícia é que nos últimos anos, novas soluções usando Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) estão criando novas pontes de acesso destes jovens a oportunidades de aprendizado e inclusão.

O Changemakers da Ashoka e o Instituto Embratel Claro acreditam que as TICs têm um papel fundamental para garantir que todas as crianças e jovens em idade escolar possam ter acesso a uma formação que lhes permita atingir todo seu potencial como agente de transformação - com capacidade para mudar a sua própria vida e também o seu entorno. Muitas iniciativas já mostraram esse potencial, mas, sem dúvida, ainda há muito que precisa ser feito!

É para encontrar novas ideias em todo o território nacional (que estejam utilizando as tecnologias da informação e da comunicação para garantir o acesso de jovens e crianças em idade escolar a novas oportunidades de aprendizado) que lançamos o “Tecnologia é Ponte: diminuindo as distâncias na educação”, um desafio que visa a identificar projetos em andamento em todo o Brasil que utilizem as TICs como ponte para conectar jovens e crianças que antes estavam isolados em suas “ilhas” inacessíveis,  com novos saberes e oportunidades.

Queremos ouvir todas as ideias desenvolvidas por inovadores, pais, professores, alunos, designers, desenvolvedores e educadores que, através das TICs, tenham criado oportunidades para diminuir essas distâncias, mas principalmente projetos focados em (mas não limitados a):

  • acessibilidade para deficientes físicos: na França, por exemplo, Simon Houriez desenvolveu um novo tipo de material educacional que permite que crianças com deficiências auditivas e crianças com audição regular aprendam conjuntamente. O material permite uma maior integração entre os alunos.
  • educação para populações marginalizadas ou distantes de centros urbanos: na India, Urvashi Sahni criou o “Hall de estudos virtuais”, que leva pedagogia avançada a zonas rurais utilizando tecnologias simples e de baixo custo, por meio do desenvolvimento de um sistema de vídeo-aulas flexíveis.
  • integração e participação de alunos em sala de aula: na Inglaterra, Emma-Jane Cross desenvolveu uma plataforma de suporte, chamada “AcabarComBullying” em que jovens e crianças podem participar de comunidades virtuais para encontrar ajuda para resolver casos de bullying ou problemas de intergração na escola.
  • trabalho com pais e professores sobre o tema de inclusão e acesso: em Uganda, Craig Esbeck melhorou a educação infantil equipando os professores com materiais de baixo custo, culturalmente relevantes, e divertidos - ele também criou uma rede de suporte para que os professores se encoragem a usar os materiais de maneira criativa.
  • aplicativos e metodologias que permitam acabar com as limitações de acesso desses aprendizes à educação formal ou informal: na Alemanha, Katja Urbatsch criou uma rede online de suporte a jovens filhos de pais com pouca educação, que promoveu a criação de uma identidade e espaço para trocas de experiências e incentivo para os participantes continuarem seus estudos.

O desafio irá distribuir R$36.000 líquidos em prêmios para até 3 projetos ganhadores. Todos os finalistas serão convidados para um workshop online com a equipe da Ashoka, do Instituto Embratel Claro e Empreendedores Sociais de referência na área de educação. Para além dos prêmios, porém, todos os projetos inscritos terão a oportunidade de participar de uma rede de pessoas comprometidas com a educação, o aprendizado e a inclusão. E que poderão, juntas, colaborar para desenvolver novas soluções para essas questões.

Se você já tem projetos ou já trabalha com esses assuntos, se você questiona como fazer para mudar o mundo a seu redor ou se você tem experiência mas nunca teve a chance para trocar histórias de vivência, esta é a sua oportunidade. O Changemakers da Ashoka e o Instituto Embratel Claro convidam você, professor, pai, empreendedor social, estudante, educador ou inovador com visão e vontade de mudar o mundo ao seu redor, a enviar o seu projeto.

Inscreva-se neste Desafio e faça parte desta rede para diminuir as distâncias que nos separam de uma educação para todos – democrática e sustentável.

Orientações e Critérios

Elegibilidade:

Este desafio está aberto a todos os indivíduos maiores de 18 anos, organizações e parcerias que estejam usando abordagens inovadoras e baseadas em tecnologia da informação e da comunicação (TIC) para facilitar o acesso ao aprendizado.

Todos os inscritos devem estar interessados em juntar-se a uma rede nacional de agentes de transformação dedicados a desenvolver novas formas de acabar com as distâncias na educação, por meio do uso das tecnologias das TICs.

Os projetos devem ter uma ideia específica e inspiradora para reduzir as distâncias que separam os jovens em idade escolar (Fundamental e Ensino Médio) das oportunidades de educação e desenvolvimento, utilizando as tecnologias de informação e da comunicação. As oportunidades de aprendizado podem ser tanto formais (escolas) como informais.

As ideias devem ser direcionadas a dar acesso, principalmente, a jovens de 6 a 20 anos que por algum motivo não tenham acesso à informação e à educação necessárias para que possam atingir seu desenvolvimento pleno como indivíduos e agentes de transformação.

As inscrições devem ser específicas e bem planejadas: ideais que já tenham saído do papel, ou estratégias estabelecidas com impacto passível de ser comprovado, ou ao menos projetado, desde que já tenha sido realizado ao menos uma prova-piloto.

 As inscrições devem ser apresentadas em português.

Critérios de Avaliação

Os projetos selecionados vencedores serão aqueles que melhor atenderem aos seguintes critérios:

Inovação: Os melhores trabalhos serão aqueles que demonstrarem uma diferença substancial de outras iniciativas no campo. Quanto mais inovador, melhor pontuado pela Banca Avaliadora. Inovação não envolve necessariamente inventar algo totalmente novo. O programa pode incluir novos produtos ou processos, bem como novas aplicações ou combinações híbridas de ferramentas existentes. As inscrições devem descrever como suas soluções são movidas por ideias originais, inovadoras.

Impacto Social: As inscrições devem descrever como a inovação é capaz de produzir resultados que melhorem o acesso à aprendizagem utilizando as TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação). As inscrições devem refletir a compreensão das barreiras sistêmicas dentro de contexto específico da inovação, e devem descrever a capacidade de superar essas barreiras. As melhores soluções terão demonstrado impacto, bem como o potencial de aumento de escala e replicação, além da eficácia das mesmas. As inscrições devem explicar como a solução mede impacto social através de dados quantitativos e qualitativos.

Sustentabilidade Financeira: As inscrições devem ter um plano claro para alcançar metas de médio e longo prazo que assegurem o aporte financeiro; devem descrever não só o financiamento atual, mas também como planejam financiá-lo no futuro; devem ter um prazo realista para a implementação. As inscrições mais bem sucedidas demonstram que têm parcerias fortes e redes de apoio para atender às necessidades em curso, e para ajudar na escalabilidade e na manutenção de uma estratégia financeira clara além de assegurar a continuidade do projeto.

Prazos e Procedimentos

Inscrições online serão aceitas até as 17h de 22 de outubro de 2014. Em qualquer momento antes desse prazo, os participantes do desafio serão tanto capazes quanto incentivados a revisarem suas inscrições.

  • Lançamento: 20 de agosto de 2014
  • Inscrição antecipada: até 17 de setembro de 2014
  • Encerramento das inscrições: 22 de outubro de 2014
  • Anúncio dos Semifinalistas: 12 de novembro de 2014
  • Revisão por pares: 12 a 26 de novembro de 2014
  • Revisão das inscrições: 26 de novembro a 10 de dezembro de 2014
  • Anúncio dos Finalistas: janeiro de 2015
  • Workshop online para Finalistas: fevereiro de 2015
  • Anúncio dos vencedores: março de 2015

Prêmios

Todos os participantes

Todos os participantes que se inscreverem no desafio “Tecnologia é ponte: diminuindo distâncias na Educação” receberão:

  • Suporte para articular seus projetos em um formato mais adequado ao desenvolvimento de longo prazo.
  • Ao menos dois comentários de feedback sobre seu projeto da equipe Ashoka
  • Convites para chats virtuais no Twitter e em painéis de discussão do Google+ Hangout
  • Possibilidade de conhecer e entrar em contato com os projetos de destaque no Desafio, e solicitar feedback em seus próprios projetos.

Prêmio de Inscrição Antecipada

Todos os projetos recebidos até 17 de setembro serão avaliados antecipadamente pela equipe interna da Ashoka, que selecionará os dois que mais se destacarem para receber:

  • R$1.000 líquidos  de prêmios em dinheiro
  • Sessões online de consultoria particulares com o Instituto Embratel Claro ou a Equipe Ashoka
  • Reportagens sobre o seu trabalho distribuídas através de canais de mídia
  • Convite especial para um bate-papo no Google+ Hangout, promovido e transmitido para a rede ampliada do desafio

Semifinalistas

Aproximadamente 40% dos projetos inscritos serão nomeados semifinalistas e terão:

  • Oportunidade para participar da rede e receber feedback de outros semifinalistas sobre seus projetos através de um intercâmbio estruturado de Revisão por Pares
  • Oportunidade de receber feedback estruturado na plataforma da equipe do Instituto Embratel Claro e outros eventuais parceiros
  • Acesso a oportunidades exclusivas ao grupo de semifinalistas do Desafio.

Finalistas

Serão selecionados entre 10 e 15 finalistas, que receberão, além dos prêmios acima:

  • Convites para participar de Google+ Hangouts exclusivos para finalistas do desafio, durante o período de avaliação final
  • Oportunidades de estar em contato com investidores que desejam contribuir com o trabalho
  • Feedback personalizado na plataforma de um dos membros da Banca Avaliadora
  • Oportunidade de uma entrevista estruturada com ao menos um membro da Banca Avaliadora do desafio durante o período de revisão final
  • Participação em um Workshop de Inovação Online, com a participação da equipe da Ashoka, do Instituto Embratel Claro e de Empreendedores Sociais da Ashoka trabalhando na área de Educação, tecnologia e inclusão.

Vencedores

Os finalistas serão avaliados pela Banca Avaliadora, que selecionará 3 vencedores, que receberão todos os itens acima, mais:

  • Uma parcela de um total de R$36.000 líquidos, a ser definida pela Banca Avaliadora.
  • Representação na cobertura da mídia em matérias relacionadas.
  • Um encontro particular, presencial ou online, com um representante do Instituto Embratel Claro para apresentar sua ideia

 

Parceiros de divulgação

O Changemakers da Ashoka e o Instituto Embratel Claro agradecem a nossos parceiros de divulgação pelo apoio e comprometimento com educação para todos.

 
   

 

Blog

11/10/2014
Em um mundo tão globalizado, as novas tecnologias devem estar integradas ao projeto pedagógico. Assim, professores e alunos também estarão mais integrados, o que potencializará os processos de aprendizagem através da personalização do ensino.
30/9/2014
A tecnologia pode ser uma grande aliada se queremos uma educação mais democrática e integrada, que permita que jovens e crianças desenvolvam seus potenciais e se tornem membros ativos de suas comunidades.
12/9/2014
 
 
A primeira vez que as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) tiveram impacto na vida de Fernando Botelho foi quando ele ainda era adolecente, época em que já tinha uma grave perda visual. Hoje, Fernando é o fundador do F123, uma organização não govenamental que desenvolve tecnologias assistivas com softwares livres (open source) para cegos.
 
"Na escola, eu era o 11º lugar em uma classe de 43", lembra Botelho.