Para entender empreendedorismo social: uma explicação em vídeo

Para entender empreendedorismo social: uma explicação em vídeo

foto de Changemakers Blogger

Cena do set de filmagens do documentário de Mara Mourão Quem se Importa

Nota da editora: Este artigo foi escrito por Ana Rosa Colhado, jornalista contribuidora do Changemakers® da Ashoka.

Bill Drayton costuma dizer que mudar o mundo não é uma escolha, mas uma necessidade. Por isso, há 30 anos, ele começou a falar sobre empreendedorismo social. Muitos outros o seguiram.

Porém, ainda hoje, há muitas pessoas que não sabem do que se trata ou não entendem bem o conceito. Isso acontece porque existem muitas definições para o termo e a diversidade das iniciativas debaixo do guarda-chuva do empreendedorismo social é enorme. 

Então, afinal, o que é empreendedorismo social? 

Um bom jeito para compreender melhor esse conceito é assistir ao novo documentário de Mara Mourão, Quem se importa – o filme, que será lançado no próximo mês de abril. A obra explica o empreendedorismo social a partir de 18 depoimentos com renomados empreendedores e empreendedoras sociais ao redor do globo, que têm como denominador comum serem responsáveis por uma completa transformação nas áreas em que atuam.

Entre eles estão o próprio Bill Drayton, fundador da Ashoka e grande disseminador do termo “empreendedor social” ao redor do mundo,  o bengali Muhammad Yunus, inventor da primeira linha de microcrédito e Prêmio Nobel da Paz, o infectologista paulistano Eugênio Scannavino Netto, que reduziu a mortalidade infantil de Santarém ao mesmo padrão de São Paulo, e Vera Cordeiro, médica pediatra carioca que, ao notar o desespero das mães quando seus filhos doentes tinham alta (e elas, poucas perspectivas de tratar das crianças em suas casas muito pobres), montou um enorme plano de ação que passou a auxiliar a família inteira por até dois anos depois do diagnóstico. 

O documentário responde questões sobre quem são os empreendedores sociais de hoje, qual a diferença entre eles e os empreendedores de negócios, se todo mundo pode mudar o mundo ou se é preciso ser alguém com um dom especial para promover mudanças estruturais.

A equipe de produção do documentário, o segundo da carreira da diretora, que já dirigiu o documentário do “Doutores da Alegria”, viajou por diversos países justamente para "encontrar essas pessoas brilhantes e registrar o forte impacto que suas iniciativas inovadoras causaram", conta Mara. “Na grande maioria das vezes, são soluções simples para graves questões, como a evasão escolar, o bulliyng, a pobreza extrema, a impossibilidade de acesso a linhas de crédito, noções básicas de saúde. E isso é o grande trunfo dessas pessoas: o que elas apresentam são soluções e não lamentações”, acrescenta a diretora.

O documentário, que foi filmado no Brasil, Peru, Estados Unidos, Canadá, Tanzânia, Suíça e Alemanha, mostra que o ponto de partida de todos os projetos é sempre um grande incômodo em relação a determinada situação. Os empreendedores sociais arregaçaram suas mangas, pensaram em ações que pudessem reverter este incômodo, geralmente a baixo custo e alto impacto, e efetivamente as executaram.

Na fala de um dos entrevistados, o premiado ambientalista Dener Giovanini, considerado hoje um dos 54 heróis ambientais do planeta, fica claro que basta querer: “Qualquer pessoa pode ser um empreendedor social, não é nenhuma bênção divina, você não toma um comprimido para virar um empreendedor social. Você simplesmente se conscientiza do seu poder de transformação”.

Em Quem se Importa - o filme a diversidade de ideias é enorme. Com narração de Rodrigo Santoro, o documentário conta também a história do nigeriano Isaac Durojaiye que notou que a falta de banheiros limpos e públicos era responsável por muitas doenças que acometiam sua comunidade e montou uma rede de toaletes públicos; e a de um monge budista belga que treina ratos na Tanzânia para detectar minas terrestres e tuberculose, e até o projeto de uma educadora canadense que está acabando com a violência nas escolas por meio do ensino de “Empatia”.

Por meio de diversos relatos, é possível entender os obstáculos que cada um deles atravessou, a alegria que sentem por terem uma missão de vida, suas visões de futuro e suas soluções para um mundo mais justo e sustentável. 

Após uma primeira exibição na Mostra de Cinema e Direitos Humanos, em São Paulo, o documentário será exibido, nos próximos dias 25 e 26 de fevereiro na 13º Conferência Anual de Empreendedorismo Social, em Cambridge, Massachusetts.

A exibição contará com a participação de alunos da Harvard Business School e terá duas sessões: uma delas logo após a palestra de Bill Drayton.
Para mais informações, clique aqui