Afrografiteiras

Afrografiteiras: Pelo Fim do Racismo e da Violência Contra a Mulher

Rio de Janeiro, Brazil
Ano em que foi fundado:
2015
Tipo de organização: 
Sem fins lucrativos / ONG/ Setor Civil
Estágio do Projeto:
Start-Up
Orçamento: 
$100,000 - $250,000
Scaling strategies launched within the past 6 months:
Não se aplica
Resumo do projeto
Pitch de Elevador (Explicação curta e direta)

Resumo conciso: Ajude-nos a lançar esta solução! Forneça uma explicação dentro de 3-4 frases curtas.

O #Afrografiteiras é um projeto que cria lideranças negras para multiplicar mensagens pelo fim da violência contra a mulher e pela eliminação do racismo.

E SE... - Inspiração: Escreva uma frase que descreve uma forma que seu projeto se atreve a perguntar: "E SE?"

E se as mulheres negras não fossem as maiores vítimas de violência doméstica e o grupo social com menor empregabilidade e salário?
SOBRE O PROJETO

Problema: Este projeto busca solucionar qual problema?

56,8% das vítimas dos estupros registrados no Estado do Rio de Janeiro em 2014 eram negras; 62,2% dos homicídios de mulheres do mesmo ano vitimaram mulheres afro-brasileiras. Estes são apenas alguns dos dados de violência que cruzam indicadores raciais e de gênero. Mulheres negras ainda recebem menos de 40% do que os homens brancos, sendo as que perdem seus trabalhos e recebem cortes salariais primeiro em momentos de crise econômica.

Solução: Qual é a solução proposta? Por favor, seja específico!

Propomos a difusão de ideais de igualdade racial e de gênero por meio da arte urbana, ferramenta que comunica com eficácia a públicos de todas as idades. Almejamos a mudança social por meio da transformação cultural, que se dá no momento da oficina e em conversas das participantes com seus amigos e familiares, durante todo o tempo de exposição do painel grafitado e é potencializada por meio das redes sociais, nas quais lançamos campanhas digitais com dados sobre racismo e sobre a Lei Maria da Penha e suas ferramentas de proteção à mulher vitima de violência. Formamos multiplicadoras e artistas urbanas, que conseguem um complemento de renda por meio do nosso agenciamento e mulheres de consciência política na luta por um mundo mais justo.
Impact: How does it Work

Exemplo: Compartilhe um exemplo específico de como essa solução faz a diferença, inclua situações práticas.

Das 30 alunas da turma de 2015, 10% está multiplicando o projeto, recebendo um valor mensal para continuar no ramo da arte e arte educação. Elas estão assumindo o papel de lideranças locais no sentido de difundir os conhecimentos adquiridos no nosso curso em seus respectivos territórios de origem (a saber: zona oeste, zona norte e centro do Rio de Janeiro, cada território formando 60 novas alunas). Mais de 40% do grupo de 2015 já exerceu alguma atividade de graffiti remunerada por meio do agenciamento da Rede Nami, multiplicando ideais de igualdade de gênero e racial e recebendo um complemento de renda.

Impacto: Qual tem sido o impacto do seu trabalho até hoje? Descreva também o impacto esperado para o futuro do projeto.

O impacto principal do nosso projeto passa pela transformação do pensamento hegemônico de superioridade masculina e branca. Para tanto, a fase atual do projeto – oficinas e multiplicação – é essencial. Alcançar o maior número de mulheres negras; atentá-las para os problemas da nossa sociedade que as aflige diretamente e; apresentar soluções para a melhoria de vida da mulher negra a curto, médio e longo prazo faz parte deste impacto inicial de conscientização e empoderamento das mulheres afro-brasileiras. Em cinco anos de Rede NAMI, comemoramos aos seguintes números: 500 mulheres participantes da Rede; 5.000 pessoas participantes de nossas oficinas; 5. 000 latas de sprays utilizadas; 5.000 m2 de muros grafitados 50.000 internautas diretamente em contato com nossas campanhas; Tudo isso, sempre na promoção dos direitos das mulheres!

Estratégias de Expansão: Avançando o projeto, quais são as principais estratégias para ampliar o seu impacto?

Uso de marketing viral como ferramenta de difusão de ideais de igualdade racial e de gênero; Ampliação da rede de mulheres impactadas por meio da formação de novas lideranças locais; Criação de novas oficinas para a abertura de novos editais de multiplicação, gerando mais renda para as mulheres impactadas e ampliando ainda mais a rede de mulheres comprometidas com mudanças socioculturais que incluem o fim do racismo e da misoginia.
Sustentabilidade
Financiamento: Como o seu projeto está sendo apoiado financeiramente?: 
subsídio de fundação ou ONG - 100%

Plano de Sustentabilidade Financeira: Qual é o plano para garantir a sustentabilidade financeira do projeto?

A capacitação das #Afrografiteiras aliada ao investimento na experiência em arte urbana e arte educação proporcionada pela Rede Nami é revertida positivamente para o próprio projeto à partir do processo de agenciamento das nossas ex-alunas na prestação de serviços para terceiros, onde elas são remuneradas e parte do valor de serviço retorna à Rede Nami para investimento no próprio programa.

Mercado ou Setor: Quais projetos ou organizações estão solucionando o mesmo problema que você e como essas propostas diferem da sua?

Somos as únicas a elaborar um trabalho utiliza a arte urbana como ferramenta de promoção dos direitos das mulheres e, desta forma, a lançar o curso de protagonismo e empoderamento negro que foca em mudanças positivas em curto prazo – geração de renda e engajamento político – e longo prazo – mudanças estruturais por meio da transformação cultural.
Equipe

História de fundação

A NAMI foi fundada em 2010, depois do início do “Grafiteiras pela Lei Maria da Penha”, de 2008, que é o esboço do nosso primeiro projeto. Em 2012, conseguimos começar nosso crescimento interno, nos registrando e dando início à “Agência Nami Graffiti”, que agenciava as grafiteiras, gerando renda para elas e receita para a ONG. Durante os anos, amadurecemos nosso primeiro projeto, que continua como "Graffiti Pelo Fim da Violência Contra a Mulher". Em 2014, tendo a consciência de que as mulheres negras são as maiores vitimas da misoginia e entendendo que a desmarginalização da arte urbana estava tornando a cena do graffiti essencialmente branca, percebemos que era hora de formar lideranças negras nesta arte. Assim nasceu o #AfroGrafiteiras.

Equipe

Mesa Diretora: Panmela Castro - Presidenta; Sandra Pragana - Vice Presidenta; Artha Baptista - CEO; Mariana Goulart - Diretora Consultiva. Conselho: Gisele Netto - Assessora de Comunicação; Giselle Arruda - Designer; Lucia Xavier de Castro - Assistente Social; Marcia Tiburi - Escritora; MarinaTeixeira - Socióloga; Solange Padilha - Escritora. Equipe: Ana Marques, Elizabeth Silva e Jennifer Borges - Assessoras de Projetos.
Público Alvo:

Populações marginalizadas, Jovens.

Outros (Por favor, especifique)

Mulheres com mais de 14 anos.

Foco de atuação:

Conscientização, Educação, Meio de Comunicação.

Outros (Por favor, especifique)

O projeto é focado na promoção do direito das mulheres, especificamente pelo fim do racismo e da violência doméstica.

Inovação: O que faz que seu projeto seja inovador no setor de Direitos Humanos? (600 caracteres ou 100 palavras)

A inovação dos nossos projetos está no “como fazer”. Nós atraímos, principalmente, jovens para debater questões políticas urgentes e gerar reflexão sobre a forma de sociedade que queremos viver de forma leve e dinâmica, gerando multiplicadores sobre esses assuntos.

Conte-nos sobre as parcerias que apoiam o seu trabalho: (450 caracteres ou 75 palavras)

Possuímos um grupo de parcerias que apoia e confia no nosso trabalho, sendo as principais:

Secretaria Municipal de Educação;
Secretaria de Políticas para Mulheres;
CRIOLA ;
Fundação Ford;
Instituto Avon;
Brazil Foundation;
Anistia Internacional;
Onu Mulheres.

Políticas Públicas: De que modo você está contribuindo ou pensa em contribuir com no âmbito de políticas públicas? (300 caracteres ou 50 palavras)

A contribuição dos nossos projetos envolve a tomada de consciência de diversas formas de violência contra a mulher, gerando a possibilidade de acesso às ferramentas de proteção à vítima, redução dos índices de violência doméstica e do feminicício à população feminina de baixa renda/escolaridade.

Novas tendências: Além de seu projeto, que fatores, mudanças ou sucessos você acredita que poderiam ter uma forte influência no avanço dos Direitos Humanos? (600 caracteres ou 100 palavras)

Acreditamos que a principal mudança a ser conquistada no ramo dos direitos humanos está na reparação histórica, conquista e sedimentação dos direitos da minorias. Isto é, defendemos as lutas pelo fim do machismo, do racismo e da LGBTfobia, assim como acreditamos na necessidade de melhor distribuição de renda e no poder transformador da educação, que deve chegar com qualidade a todos os setores sociais.