T.Ar Raízes

Congratulations! This Entry has been selected as a semifinalist.

T.Ar Raízes: Justiça Restaurativa e Teatro do Oprimido para pensar e atuar em Direitos Humanos

São Paulo, BrazilSão Paulo, BrazilSão Paulo, BrazilSão Paulo, BrazilSão Paulo, BrazilEmbu das Artes, Brazil
Ano em que foi fundado:
2014
Tipo de organização: 
Sem fins lucrativos / ONG/ Setor Civil
Estágio do Projeto:
Crescimento
Orçamento: 
$10,000 - $50,000
Scaling strategies launched within the past 6 months:
Crescimento organizacional
Parceria de larga escala
Organização de conferências
Treinamento, consultas
Resumo do projeto
Pitch de Elevador (Explicação curta e direta)

Resumo conciso: Ajude-nos a lançar esta solução! Forneça uma explicação dentro de 3-4 frases curtas.

Atuar nas periferias,com enfoque em Direitos Humanos,instrumentalizado pela Justiça Restaurativa e Teatro do Oprimido
Apoio comunitário para fortalecimento de si e superação de situações de violências
Formação comunitária para que constituam seus próprios grupos,difundindo e espalhando ações em DH

E SE... - Inspiração: Escreva uma frase que descreve uma forma que seu projeto se atreve a perguntar: "E SE?"

E se o povo e instituições aprendessem direitos humanos de maneira horizontal e crítica, pensando no bem coletivo e restaurativo?
SOBRE O PROJETO

Problema: Este projeto busca solucionar qual problema?

Diariamente pessoas são violentadas por sua etnia, orientação sexual, gênero e classe social. Fazemos parte de um sistema que está organizado para normatizar e classificar as experiências. Dessa maneira os equipamentos públicos acabam por reproduzir essas violências. A busca é, se aproximar do povo e instituições para contribuir com um processo pedagógico, teórico e prático que permita construir coletivamente a cultura de paz, garantindo os DH.

Solução: Qual é a solução proposta? Por favor, seja específico!

Nosso projeto é focado na articulação e formação comunitária e institucional nas periferias, tais como serviços de Medidas Socioeducativas em meio aberto e Escolas. A partir de casos reais atuamos para mediar conflitos e na proposição de outras ações de enfrentamento à discriminação e preconceito que alguns grupos sofrem. Esse processo tem gerado uma rede de pessoas fortalecidas para espalhar ações em direitos humanos, além de propiciar uma abordagem que acolha as diferenças, promova o diálogo, a colaboração e reconstrua relações já que amplia a consciência por parte dos equipamentos públicos que muitas vezes reproduzem a violência, bem como desnaturalizar a violência que a pessoa envolvida no processo vinha sofrendo.

Prêmios

Somos um projeto relativamente novo, portanto, ainda não temos prêmios relevantes que não seja o reconhecimento da comunidade, coletivos e instituições que atuamos.
Impact: How does it Work

Exemplo: Compartilhe um exemplo específico de como essa solução faz a diferença, inclua situações práticas.

Alguns grupos se formaram e/ou se consolidaram a partir das articulações e formações em justiça restaurativa. Esses grupos tornaram-se autônomos e hoje têm ações na periferia Sul de São Paulo. Ex:Jovens Facilitadores de práticas de justiça restaurativa, http://jovensfacilitadores.org.br/ e Fala Guerreira - https://www.facebook.com/falaguerreira/?fref=ts. "Ao fazer parte do processo de articulação do projeto e das participações nos cursos, o que ficou de maior impacto foi entender que as práticas de justiça restaurativa ajuda entender os problemas de violência que as nossas quebradas sofrem. A partir desse entendimento ampliei meu conhecimento na busca de resoluções de conflitos, discriminação na comunidade." Fabiana Ivo

Impacto: Qual tem sido o impacto do seu trabalho até hoje? Descreva também o impacto esperado para o futuro do projeto.

Desde 2014 com as diversas ações atingimos cerca de 4000 pessoas marcadas por estas violências.As estrategias são grupos em comunidades, eventos mensais, com a temática:genocídio da população negra,violência contra mulher,racismo institucional,etc Essas ações têm se consolidado em novas maneiras de pertencimento e reconhecimento das pessoas envolvidas no processo. Há adolescentes negras que participaram do projeto inicialmente relatando casos graves de racismo na escola. Hoje conseguem entender e reconhecer o valor de sua cor e do seu cabelo, sendo então, multiplicadoras da reflexão acerca do racismo e machismo na escola. A discussão dos jovens atendidos em serviços, também se estimulou a participação no TRIBUNAL POPULAR, uma ação coletiva de denúncia da violência policial. http://www.nossasaopaulo.org.br/tags/tribunal-popular. A ideia é ampliar essas ações para outras periferias.

Estratégias de Expansão: Avançando o projeto, quais são as principais estratégias para ampliar o seu impacto?

Já conseguimos uma ampliação relevante somente com a parceria dos espaços com o mesmo propósito: Zumaluma, Serviço de Medida Socioeducativa, Comitê Juventude e resistência, Fala Guerreira. Essa parceria tem possibilitado muitas conexões e uma ampliação que tem acontecido de maneira orgânica através das formações iniciais que se disseminam para outros grupos e espaços. Algumas estratégias 1) Continuidade na formações comunitárias e parcerias 2) Estender as nossas ideias e ações via internet e publicação em revistas que pretendemos criar. 3) Aprovação no changemakers para expandir as ações.
Sustentabilidade
Financiamento: Como o seu projeto está sendo apoiado financeiramente?: 
doações individuais ou presentes - 10%
subsídio de fundação ou ONG - 70%
outro - 20%

Plano de Sustentabilidade Financeira: Qual é o plano para garantir a sustentabilidade financeira do projeto?

A principal fonte de recursos do T.Ar são os parceiros das ONG's que atuamos. As formações e intervenções são financiadas por hora/aula,e justificadas como prestação de serviço,por parte do T.Ar. Nosso interesse é continuar atuando para firmar mais parcerias. Ainda não fomos contemplados em editais, então, uma das estratégias é se inscrever nas oportunidades que possam nos apoiar e que tenham a ver com o nosso projeto, assim como o changemakers.

Mercado ou Setor: Quais projetos ou organizações estão solucionando o mesmo problema que você e como essas propostas diferem da sua?

O projeto Favela da Paz:Propagando uma cultura de Paz;também soluciona um problema de base, pois está na periferia Sul,assim como nós. Dessa maneira,levar a arte e a cultura para esses espaços segregados e marginalizados é de extrema importância. O que nos diferencia é que o T.Ar Raízes utiliza da arte do teatro do oprimido para dialogar sobre os direitos humanos, opressões que vivemos e como podemos atuar no mundo, além de usar fortemente a justiça restaurativa para aproximar e dialogar sobre os conflitos que se dão pelas diferenças. As atividades possibilitam unidade e ação política.
Equipe

História de fundação

A T.ar Raízes surge a partir do encontro entre a Crescer com a Gente, instituição que atua há mais de 20 anos no Grajaú oferecendo atendimento à mulheres, jovens e crianças vítimas de violência; e o encontro de pessoas nas formações do CDHEP (Centro de Direitos Humanos e educação popular), que passaram a desenvolver ações de enfrentamento das violências sociais, sobretudo racismo, violência de gênero e homofobia na periferia Sul. Começamos a perceber a força comunitária e então, o quanto o trabalho de base é importante para tecer coletivamente algumas ações, discutir as violências e opressões vividas. Com isso, reconstruir relações e uma convivência mais harmônica para a construção coletiva da perspectiva Direitos humanos.

Equipe

Sulamita Assunção -Psicóloga,Militante,teatro do oprimido, Mestranda em Ciências Sociais pela PUC-SP; Elaine Lima Rezende - Pedagoga, Militante do Juventude e Resistência; Dennys Knowles -Assistente Social, facilitador em Justiça Restaurativa, militante LGBT; Andrea Arruda -Psicóloga Social, militante no Juventude e Resistência; Milena Mateuzi -Cientista Social, facilitadora em Justiça Restaurativa; Maria Edijane - Núcleo Mulheres Negras
Público Alvo:

Populações marginalizadas, Formuladores de Políticas Públicas, Jovens.

Outros (Por favor, especifique)

Mulheres Negras e Periféricas, Professores e Educadores Sociais

Foco de atuação:

Conscientização, Parcerias, Organização comunitária, Educação, Financiamento, Meio de Comunicação, Leis, Pesquisa e informação.

Outros (Por favor, especifique)
Inovação: O que faz que seu projeto seja inovador no setor de Direitos Humanos? (600 caracteres ou 100 palavras)

A inovação do projeto está no uso das metodologias de formação: teatro do oprimido, justiça restaurativa e intervenção prática e coletiva nos casos reais de discriminação e preconceito sofridos na vida e nas variadas instituições. Essas metodologias contribuem para uma vivência profunda das situações de violência, já que o método vai para além da teoria, sendo seu caráter pedagógico também nas situações reais de opressão que permitem pensar direitos humanos de uma maneira efetiva e consistente. A Metodologia possibilita o fortalecimento e empoderamento das pessoas envolvidas, tanto as pessoas que sofreram a violência, como as que reproduziram a violência. Por isso, a partir do processo inicial junto ao T.ar Raízes, conseguimos coletivamente fortalecer e multiplicar a cultura em direitos humanos não só do lado de fora da comunidade, mas também dentro de suas instituições.
Inovar com essa metodologia de teatro do oprimido e justiça restaurativa significa se envolver com as pessoas de uma maneira realmente horizontal pensando coletivamente todo o processo. O tema não é abordado de maneira expositiva e distanciada, mas sim, com vivências, jogos, atividades e ações diretas com as intervenções realizadas em direitos humanos que possibilite internalizar, praticar e espalhar essa perspectiva.
Participar desse processo de formação com a comunidade permite conhecer muitos casos de discriminação e preconceito, como em um exemplo real de uma escola onde uma adolescente passou diversas situações de homofobia. A mediação de conflito (metodologia da justiça restaurativa) nos possibilitou atuar nesse espaço para contribuir também com a perspectiva da escola sobre o assunto. Efetivamente isso gerou mais consciência por parte da escola em relação a violência produzida e desnaturalizou a violência que a adolescente vinha sofrendo. Intervenções em casos reais a partir do planejamento junto as pessoas que estão junto com a gente nesse processo de formação, proporciona reconhecimento de si e do outro, visibilidade e autonomia que ajuda a produzir aos poucos a transformação social que precisamos.

Conte-nos sobre as parcerias que apoiam o seu trabalho: (450 caracteres ou 75 palavras)

Organizações aliadas são 4 serviços (ONG's) de medidas socioeducativas que atuam com adolescentes em conflito com a lei na Região Sul de São Paulo; O Coletivo comitê Juventude e Resistência, O coletivo Tamo Vivo, O coletivo Fala Guerreira, o ZUMALUMA. Nomes dos quais já somos parceiros nas articulações de atividades, rodas de conversa, formações, propostas artísticas com a perspectiva em direitos e intervenções pedagógicas nas situações de preconceito e discriminação.
Eventualmente essas organizações cedem o espaço, a alimentação, e o valor por hora/aula.
Apesar disso, a remuneração é variável, pois atualmente não temos convênio com nenhuma instituição ou contrato com o governo.
Ainda assim, as ações e atividades não se esgotam ou param, pois estamos hoje com uma força comunitária e de rede que possibilita atuar em várias frentes, ocupar mesas de debates e muitas vezes ter remuneração hora/aula como prestadores de serviço, pelas formações ou intervenções.

Políticas Públicas: De que modo você está contribuindo ou pensa em contribuir com no âmbito de políticas públicas? (300 caracteres ou 50 palavras)

Estavámos contribuindo na luta sobre a lei de fomento à periferia.É uma proposta pautada por nós junto aos coletivos e militantes da periferia
Lei essa que foi aprovada recentemente:
http://www.tvt.org.br/sao-paulo-aprovada-a-lei-de-fomento-as-periferias/
Lei que descongela um orçamento para o fomento de editais nas periferias. Estivemos juntos com os movimentos atuantes nesse processo.

As discussões junto aos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa também possibilitou participar da criação do Tribunal popular, uma ação de denúncia da população contra a violência policial. Ação da população contra o Estado em relação as violações de direitos. Ação acontecerá dia 19-11-2016.

http://www.tvt.org.br/tribunal-popular-discute-acao-violenta-da-policia-...
http://www.nossasaopaulo.org.br/tags/tribunal-popular

Novas tendências: Além de seu projeto, que fatores, mudanças ou sucessos você acredita que poderiam ter uma forte influência no avanço dos Direitos Humanos? (600 caracteres ou 100 palavras)

Acreditamos que precisamos incluir com efetividade nas escolas uma linguagem compatível com a juventude que permita pensar a temática. Abordar o tema de maneira artística, cultural e com pé de igualdade junto aos jovens, já que precisamos envolvê-los no assunto. Os jovens têm muita força e criatividade quando conseguem apreender o tema de forma simples, espontânea, vivencial e divertida. Precisamos contribuir com o acesso dos jovens nas escolas públicas, porque eles são um lugar potencial para a mudança que precisamos.