SOLUÇÕES INOVADORAS PARA A SUSTENTABILIDADE NA INDÚSTRIA DA MODA VENCEM O DESAFIO TECENDO A MUDANÇA

SOLUÇÕES INOVADORAS PARA A SUSTENTABILIDADE NA INDÚSTRIA DA MODA VENCEM O DESAFIO TECENDO A MUDANÇA

            Três iniciativas extraordinárias receberam prêmios do desafio “Tecendo A Mudança”, evento que ocorreu dia 12 de maio no Copenhagen Fashion Summit e teve como apresentadoras duas personalidades do mundo da moda: a ícone da moda Amber Valetta e o escritor Derek Blasburg. O Summit tinha como objetivo reunir os principais atores envolvidos na solução dos desafios relacionados à sustentabilidade da indústria têxtil.

            Um total de €100,000 foi concedido pela C&A Foundation que, em parceria com a Ashoka, lançou no ano passado o desafio “Tecendo a Mudança”. A ideia central do desafio é chamar a atenção para a questão da transformação da indústria têxtil, dando suporte e visibilidade aos agentes que estão contribuindo para tal mudança. Os vencedores deste desafio são:

     Evrnu™ Social Purpose Corp - €50.000 Grande Vencedor: Transforma resíduos de vestuário de algodão em fibra para a criação de roupas novas e de qualidade

            Ambercycle - €20.000: Utiliza micróbios que se alimentam de resíduos plásticos e produzem as matérias-primas para poliésteres 100% renováveis. Ao invés de ter seu início com petróleo, os resíduos plásticos se tornam matéria prima para novos tecidos cuja qualidade é equivalente à de poliésteres de primeira-mão, além de também ser mais barato para produzir.

            Nest - €20.000:  Atua com mulheres artesãs no desenvolvimento de oportunidades que empoderem as mulheres, preservando as tradições culturais e reduzindo a pobreza, por meio do desenvolvimento de benefícios através de parcerias nos âmbitos ético e econômico.

Youth Innovators (Jovem Changemaker) -  €10.000: Christian Birky, Fundador da Lazlo; Jonas Rosenberg Lessa, Co-Fundador da Retalhar; e Marianne Caroline Hughes, jovem blogueira.

 

 

      Os vencedores foram selecionados por uma bancada de juízes, que escolheram um conjunto de 10 finalistas entre um total de mais de 300 inscrições online de 55 países diferentes. Dentre os juízes estavam Amy Hall, Diretora de Responsabilidade Social da EILEEN FISHER, Inc., e Leslie Johnston, Diretora Executiva da C&A Foundation. (Para visualizar os nomes de todos os membros do painel de juízes, veja abaixo.)

      “É possível eliminar o desperdício? Quando 70 – 85% das nossas roupas acabam em aterros e 189 bilhões de quilos de plástico são consumidos anualmente, nós precisamos das tecnologias inovadoras de desenvolvimento da Evrun e Ambercycle” disse Johnston. “Quando colocadas em escala, essas duas organizações ajudam a trazer uma vida nova para o plástico descartado e para resíduos têxteis”

               “A Nest pode ser um divisor de águas para as marcas, pois atualmente não há como avaliar e monitorar com precisão as cadeias de fornecimento de éticas e sustentabilidade de artesãs”, disse Hall. “A metodologia da Nest permite que marcas como as nossas apoiem cadeias de fornecimento de artesãs.”

               Além do prêmio de €50.000 e dos dois prêmios de €20.000, cada um dos vencedores receberá prêmios adicionais oferecidos pela Opportunity Collaboration e a Cordes Foundation! Cada um receberá uma Cordes Fellowship para participar da Opportunity Collaboration em Cancún, México, em outrubro de 2016.

Todos os dez finalistas e Youth Innovators participarão de um curso de capacitação facilitado pela Ashoka, C&A Foundation e alguns membros da rede do desafio Tecendo A Mudança. Na próxima fase do desafio, as duas organizações irão eleger novos Fellows da Ashoka, que receberão suporte financeiro durante três anos, além de acesso à rede global do Changemakers.

               “Com o trabalho visionário, a paixão e a perseverança, os empreendedores sociais nos dão razões para sermos otimistas em relação ao futuro da moda”, disse Stephanie Schmidt, Diretora da Ashoka. “Nós queremos que o Tecendo A Mudança se torne uma plataforma para empreendedores sociais se conectarem entre si, medirem seu impacto e construírem mais pontes com a indústria para se abrirem a novas oportunidades. Esse é o poder do empreendedorismo colaborativo”